Poema aos aviadores

Aviador

Rasgando o alto do azul celeste assim somos nós pilotos fazendo manobras difíceis como se fizéssemos parte da imensidão do espaço. Não tememos nada, pois comungamos com Deus. Os amigos e familiares levamos imensa saudade sem saber se voltaremos. E o céu azulado, muitas vezes se veste de negro e derrama as suas lágrimas em sinal de luto quando perdemos um irmão piloto, mas sua presença continua presente a nos fortalecer para um futuro incerto onde a única certeza que temos é que nunca deixaremos de voar!

Autor: Guilherme Sachetti

O TMA Curitiba expressa seus sentimentos aos familiares dos dois ases Juliano Wolski (Cabelo) e Renato Rodrigues (Bexigaum).

Comentários