Conforme vimos no artigo anterior, a ICAO padronizou os códigos de 4 letras de identificação dos aeroportos.

A princípio, todos os códigos brasileiros começariam com SB, sendo o S de América do Sul, o B de Brasil, e as duas últimas letras específicas do aeroporto (CT – Curitiba, BI – Bacacheri)

Porém como o Brasil possui dimensões continentais, ficou impossível identificar tantos aeródromos com apenas duas letras diferentes. Por este motivo todos os aeródromos brasileiros podem ser identificados, além do prefixo SB, pelos prefixos SD, SI, SJ, SN, SS e SW. Obviamente todos começam com S por estarem na América do Sul.

 

Ficou definido que os aeródromos SB** seriam apenas os aeroportos que possuem no mínimo uma estação de rádio instalada (uma rádio não fornece o serviço de controle de tráfego aéreo como uma Torre, mas é um órgão de tráfego aéreo que fornece informações aos aeronavegantes sobre aquele aeródromo, inclusive informação de tráfego).

 

Como curiosidade, seguem os códigos de alguns aeroportos em outros países:

 

América do Sul

  • Chile – SC: SCEL – Santiago
  • Argentina – SA: SAEZ – Buenos Aires (Ezeiza)
  • Uruguai – SU: SUMU – Montevideo

 

Europa

  • França – LF: LFPG – Paris (Charles de Gaule)
  • Portugal – LP: LPPT – Lisboa
  • Alemanha – ED: EDDF – Frankfurt
  • Holanda – EH: EHAM – Amsterdam

 

Estados Unidos da América

Nos EUA os principais aeroportos começam com a letra K sucedido do código IATA (aquele conhecido de 3 letras que o do Afonso Pena é CWB por exemplo), práticos, não?

  • Miami (MIA) – KMIA
  • New York (JFK) – KJFK
  • Los Angeles (LAX) – KLAX

 

No próximo artigo vamos ver o que a ICAO definiu sobre as matrículas das aeronaves, até lá!