Bom… Se você chegou até aqui, é provável que você não entenda lhufas daqueles números e letras estranhas que compõem o código METAR (Essencial na vida dos Aviadores). Mas calma! Não tem nada de complicado. Depois que você compreender como se interpreta, a tarefa se torna tão simples quanto a olhar um relógio analógico e saber que horas são.

Todos tiveram dificuldade um dia, certo? Vamos lá! 😀

Primeiramente.. O que significa a sigla METAR?

METAR = METeorological Aerodrome Report, ou traduzindo, Relatório Meteorológico de Aeródromo. Nada mais é que um relatório codificado que é publicado de hora em hora (exceto quando o aeródromo encontra-se fechado, como é o caso do Aeroporto do Bacacheri que funciona entre as 07:00 e 22:00 local) sempre na hora cheia, associado às observações meteorológicas e utilizado para fornecer informações sobre condições do tempo na superfície. Geralmente é composto pelos seguintes itens: vento, visibilidade, alcance visual, tempo presente na pista, nebulosidade, temperatura do ar e do ponto de orvalho e pressão ao nível do mar (ajuste de altímetro). No Brasil, o ajuste de altímetro é indicado em hPa (Hectopascais).

Exemplo de METAR:

METAR SBCT 230800Z 05002KT 3000 BR BKN004 17/16 Q1022=

Para compreender é necessário entender que:

SBCT refere-se ao código ICAO do Aeroporto Internacional Afonso Pena.

23 – É o dia em que a mensagem foi confeccionada.

0800Z – É o horário da observação. O horário utilizado na aviação se chama ZULU. Também conhecido como UTC em outros segmentos. No caso de maioria das regiões do Brasil, nós estamos a -3 horas do horário de Greenwich, que é a referência para a hora ZULU/UTC. Neste caso, a mensagem se refere a 05:00 do horário de Brasília (GMT -3).

05002KT – Refere-se à direção e velocidade do vento à superfície em relação ao norte verdadeiro. Assim temos: Vento vindo da direção 050º (Nordeste) com uma intensidade de 2 nós (1 nó = 1,852km/h). Lembrando que a direção e a velocidade do vento podem variar devido a rajadas. Vamos simular um caso.. Por exemplo: 05002G30KT 050V100 / Neste caso, temos o vento variando de 050º até 100º (V = VARIANDO) com ventos de 2 nós com rajada de até 30 nós (G = RAJADA).

3000 – Esse número indica a visibilidade em Metros. Caso apareça 9999, indica que a visibilidade é igual ou superior a 10km. Caso esse número esteja ausente, é por causa que as condições estão CAVOK (Ceiling And Visibility OK).

BR – Este é o Indicativo para Névoa Úmida. Logo abaixo, trarei um exemplo com os Indicativos mais comuns.

BKN004 – Refere-se à quantidade e altura da base de nuvens. BKN = Broken = Nublado. 004 é a altura da base das nuvens. No caso, 400 pés. Caso você saiba sobre nível de voo, a interpretação é a mesma coisa destes números. Por exemplo: BKN100 seria Nublado a 10000pés. Ou BKN050, Nublado a 5000 pés. Existem dois tipos de nuvens específicas que quando estão estão presentes na observação, são colocados no METAR por sua forte influência. São elas a TCU (Torre de Cumulus) e a CB (Cumulonimbus), essas duas nuvens indicam uma probabilidade muito alta de que haverá ou que está ocorrendo uma tempestade nesta área.

Para medir a altura das nuvens até 6500 metros durante o dia e até 10000 metros durante a noite, existe um instrumento chamado Tetômetro. Veja uma foto deste equipamento que é pouco conhecido entre a maioria.

Tetometro

Tetômetro do Aeroporto Afonso Pena

17/16 – Estes números representam a Temperatura do Ar e o Ponto de Orvalho em graus Celsius. Neste caso temos a temperatura do ar com 17° C e o Ponto de Orvalho em 16° C. O que indica uma situação de Ar Saturado (Úmido). Caso tivéssemos temperatura negativa, a numeração estaria precedida pela letra M antes da temperatura. Por exemplo: M02/06

Q1022 – Este último grupo da mensagem indica o QNH arredondado para o hectopascal inteiro. Neste caso temos pressão QNH de 1022 hPa.

= – Marcador Final da Mensagem


RVR, SPECI e VV

RVR

Equipamento RVR no Aeroporto Afonso Pena

O RVR (Runway Visibility Range/Alcance Visual na Pista) é um instrumento que como o próprio nome diz, tem a função de medir a visibilidade horizontal nas cabeceiras das pistas. Vamos usar um METAR recente para exemplo:  SPECI SBCT 100946Z 15003KT 1400 R15/1400 R33/1400 BCFG BR OVC001 19/18 Q1018=

Neste caso, observamos que os equipamentos RVR nas cabeceiras 15 e 33 estavam indicando a visibilidade horizontal em 1400 metros em cada cabeceira.

SPECI, nada mais é que uma mensagem Especial (conforme no exemplo acima), confeccionada entre um METAR e outro. Ela surge quando há mudanças significativas nas condições meteorológicas do aeródromo. Durante o SPECI também pode surgir uma correção emitida pelo observador, no caso ela aparecerá no seguinte formato: SPECI COR

VV é a Visibilidade Vertical. Essa sigla aparecerá quando não for possível observar as nuvens. Geralmente durante condições de nevoeiro.

Veja um exemplo: SPECI SBCT 220348Z 02003KT 0800 R15/0800 R33/0800 FG VV/// 19/19 Q1017=

Neste caso, o nevoeiro é tão forte que não foi possível estimar a visibilidade vertical. No caso de 100 pés teríamos VV001 e em caso de visibilidade zero VV000.


PS: Informações Suplementares (RMK – Remark/Observação) podem seguir o marcador final da mensagem. Tais como:

RERA – Chuva Recente
RETS – Trovoada Recente
RETSRA – Tempestade Recente
WS R15 – Wind Shear (Tesoura de Vento) na Cabeceira 15 (R15)

Nuvens:

NSC - Sem Nuvens Significativas
FEW - Poucas Nuvens
SCT - Nuvens Esparsas
BKN - Nublado
OVC - Encoberto
CB - Cumulonimbus
TCU - Torre de Cumulus

Legendas de Tempo Significativo:

DZ - ChuviscoBR - NeblinaBL - SoprandoFZFG - Nevoeiro Congelante
RA - ChuvaFG - NevoeiroSH - Pancadas-DZ - Chuvisco fraco
GR - GranizoFU - FumaçaTS - Trovoadas+SHSN - Pancadas de Neve Fortes
DS - Tempestade de AreiaHZ - Névoa SecaFZ - Super congelanteMIFG - Névoa Rasa
DU - AreiaMI - RasoRA - ChuvaVA - Cinzas Vulcânicas
SN - NeveBC - Em bancosSHRA - Pancadas de ChuvaFC - Nuvem Funil

Por hoje é só! Nos vemos na próxima semana em um novo artigo de conhecimentos aeronáuticos. Até lá!

Comentários