Os atrasos provocaram um efeito cascata que foi sentido no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre

Fonte: Gazeta do Povo (http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=983741&tit=Falha-no-sistema-eletrico-do-Cindacta-2-provoca-atrasos-no-Afonso-Pena)

Uma falha no sistema elétrico dos monitores usados pelos controladores de voo do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo de Curitiba (Cindacta 2) na manhã desta quarta-feira (17) provocou atrasos no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba. Durante a tarde, o terminal chegou a registrar atrasos superiores a 30 minutos em 30% dos pousos e decolagens.

De acordo com o boletim divulgado pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) as 17 horas, dos 76 voos programados para o terminal, 20 sofreram atrasos e quatro foram cancelados. Como o Cindacta 2 é responsável pelo tráfego aéreo do Sul do país, houve um efeito cascata que atingiu outros aeroportos. O terminal Salgado Filho, em Porto Alegre, sofreu com atrasos em 13 dos 62 voos.

O problema aconteceu durante um teste de segurança do sistema elétrico, informou o tenente-coronel Henry Munhoz, do centro de Comunicação Social da Aeronáutica. Todos os dias o sistema de emergência é testado. Para isso, desliga-se a energia para que o sistema reserva, chamado de UPS (espécie de nobreak gigante), entre automaticamente em funcionamento. “Hoje as 9 horas quando foi realizado o teste, excepcionalmente, houve uma demora de 10 segundos para a entrada do sistema”, afirmou Munhoz.

Com isso, os monitores usados pelos controladores demoraram 16 minutos para voltarem a operar. O tenente-coronel garante que a comunicação entre os operadores e as aeronaves não foi interrompido. “A comunicação foi mantida por rádio, só não foi possível a visualização nos consoles de visualização. O que não gerou risco”, afirmou.

Mesmo assim, foi adotada medida preventiva de aumentar o espaçamento entre as aeronaves em voo. A medida seguinte foi interromper as decolagens no Aeroporto Afonso Pena e depois aumentar o tempo entre as chegadas e as partidas.