Publicado em 20/02/2013 | RAFAEL WALTRICK

A Infraero escolheu ontem a empresa que fará os estudos preliminares da construção da terceira pista do Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais. A vencedora da licitação, lançada em 23 de janeiro, foi a empresa IQS Engenharia Ltda. A Infraero vai agora analisar a documentação da empresa e aguardar o prazo legal de recursos para então homologar o resultado.

A construção da terceira pista é uma demanda histórica de entidades e empresas aeroportuárias da região para alavancar o transporte de cargas. O plano inicial é construir uma pista de 3,4 mil metros, que no futuro poderia ser ampliada para 4 mil metros.

Outras obras

Projeto de ampliação do terminal começa a ser elaborado em março

Além de estudos preliminares para a construção da terceira pista, o Aeroporto Internacional Afonso Pena será alvo de projetos para a ampliação do terminal de passageiros, a partir do mês que vem. A expectativa da Infraero é que o contrato com o consórcio formado pelas empresas Sial, Jotaele e PJJ, que venceu a licitação em janeiro, seja assinado até a próxima semana.

O consórcio será responsável por elaborar os projetos básico e executivo da ampliação do terminal e executar a obra. O investimento é de R$ 246,7 milhões, com recursos da própria Infraero.

A elaboração dos projetos e a execução da obra se estenderá ao longo de três anos. Apesar do prazo apertado, a Infraero garante que parte da ampliação, como a implantação de oito novas pontes de embarque e mais 32 balcões de check-in, será concluída a tempo da Copa do Mundo de 2014.

Só a primeira etapa, prevista para iniciar em março, durará seis meses, conforme o edital da obra. Além da elaboração dos projetos básicos e parte dos projetos executivos, neste prazo também serão construídos os canteiros de obras e ocorrerá a demolição de três edificações ao lado do terminal atual. (RW)

Projeto de ampliação do terminal começa a ser elaborado em março

Além de estudos preliminares para a construção da terceira pista, o Aeroporto Internacional Afonso Pena será alvo de projetos para a ampliação do terminal de passageiros, a partir do mês que vem. A expectativa da Infraero é que o contrato com o consórcio formado pelas empresas Sial, Jotaele e PJJ, que venceu a licitação em janeiro, seja assinado até a próxima semana.

O consórcio será responsável por elaborar os projetos básico e executivo da ampliação do terminal e executar a obra. O investimento é de R$ 246,7 milhões, com recursos da própria Infraero.

A elaboração dos projetos e a execução da obra se estenderá ao longo de três anos. Apesar do prazo apertado, a Infraero garante que parte da ampliação, como a implantação de oito novas pontes de embarque e mais 32 balcões de check-in, será concluída a tempo da Copa do Mundo de 2014.

Só a primeira etapa, prevista para iniciar em março, durará seis meses, conforme o edital da obra. Além da elaboração dos projetos básicos e parte dos projetos executivos, neste prazo também serão construídos os canteiros de obras e ocorrerá a demolição de três edificações ao lado do terminal atual. (RW)

A licitação foi realizada de forma eletrônica, dentro do Regime Diferenciado de Contratação (RDC), e a IQS Engenharia receberá R$ 1,5 milhão. Outras duas empresas participaram do processo, mas foram desclassificadas por não apresentarem todos os documentos necessários, segundo a Infraero.

Conforme o edital, os estudos deverão ser feitos ao longo de oito meses, contados a partir da assinatura da ordem de serviço, e trarão as soluções mais viáveis e vantajosas para a execução da obra. Além da terceira pista, os estudos contemplarão as vias de acesso, guaritas e pistas de taxiamento das aeronaves.

Até o momento não há estimativas sobre o custo da construção da terceira pista – o que deve ser definido com os estudos. Um levantamento feito pela consultoria Macrologística para o Projeto Sul Competitivo, afirmou que a obra sairia por cerca de R$ 300 milhões.

A conclusão dos estudos preliminares permite o lançamento de novos editais para a contratação dos projetos básicos e executivos. Apesar de a Infraero não citar prazos, o superintendente do aeroporto, Antonio Pallu, já afirmou em ocasiões anteriores que a contratação da obra não deve sair antes de 2015.

Desapropriação

Outra etapa que está em andamento é o levantamento dos custos de desapropriação das áreas no entorno do aeroporto. Em dezembro de 2011, o governador Beto Richa assinou um decreto que declara como de utilidade pública 751,5 mil metros quadrados na região do terminal.

Segundo a Secretaria de Infraestrutura e Logística, técnicos estão percorrendo imóveis e terrenos para chegar ao valor final que precisará ser investido para desapropriar as áreas e abrir caminho para as obras da nova pista. A previsão é que as pesquisas terminem em junho.

Fonte: Gazeta do Povo – Rafael Waltrick

Comentários